terça-feira, 20 de dezembro de 2005

Orkut

Ambíguo, deveras ambíguo; limítrofe entre o ponderador e o indeciso, entre o questionador e o idiota.Pessimista, praticamente adorador de Murphy (sou muito bem recompensado, deve-se salientar...), mais um poko vira-casaca (desenvolvendo a grande arma do "jogo do contente"!)
Quem sou? talves outros hão de dizer, quem sou eu para me opor as idiossincrasias alheias, que pensem o que quiser sobre mim... hehe, dramático, naum?

"Os problemas não se criam, nem se resolvem, só se transformam." (Lei da persistência de Waiterc Pastar).

"O mundo é feito pelo esforço dos inteligentes, mas são os imbecis que o desfrutam." (Corolário de Nuinkana Kurta).

Nunca houve idiotices tão sãs quanto essas... he he

sexta-feira, 2 de dezembro de 2005

08/11 - Epitáfio para um pinguim:

Aqui jaz aquele que sofre no gozo da satisfação, em seu masoquismo infindável que a vida proporciona. Aqui inicia-se um novo ciclo, onde este, só em alma e lembrança, deu lugar no mundo carnal a novos ciclos.

Adeus, Pinguim!

sábado, 5 de novembro de 2005

Arrancando as penas:

Ah! Meu pinguim despenado! Sabe das consequências de um ritual de Shiva bem feito! Sofra, pinguim, sofra, mas nunca deixe o sorriso, que este, meu caro, é o único mérito da vida, essa que, na mínima oportunidade, se expressa corporalmente como tal: uma busca incessante pela completude do nada na confluência dos "opostos"...

Ah! Caro Pinguim, figura Yin Yang, retinto, tão retinto... Entenda que o corpo, apesar de falar, só o usa para dizer nada. O sentido das coisas está no silêncio dos gestos, na sincronia da respiração e na concordância dos movimentos. Não sinta medo, não fale nada, pois fala por medo do silêncio do olhar, e por tudo o que ele tem a mostrar...

Pois então não olhe - feche-o e deixa que o momento diga por si mesmo o que quer. O que você quer. O que todos querem. É, Freud... nada mais do que um charuto, não é?

segunda-feira, 31 de outubro de 2005

Recado ao Senhor do Idioskosmos:

"Por esse pão pra comer, por esse chão pra dormir
A certidão pra nascer e a concessão pra sorrir
Por me deixar respirar, por me deixar existir

Deus lhe pague

Pelo prazer de chorar e pelo “estamos aí”
Pela cachaça no bar e o futebol pra aplaudir
Um crime pra comentar e um samba pra distrair

Deus lhe pague

Por essa praia, essa saia, pelas mulheres daqui
O amor malfeito depressa, fazer a barba e partir
Pelo domingo que é lindo, novela, missa e gibi

Deus lhe pague

Pela cachaça de graça que a gente tem que engolir
Pela fumaça, desgraça, que a gente tem que tossir
Pelos andaimes, pingentes, que a gente tem que cair
Por mais um dia, agonia, pra suportar e assistir
Pelo rangido dos dentes, pela cidade a zunir
E pelo grito demente que nos ajuda a fugir
Pela mulher carpideira pra nos louvar e cuspir
E pelas moscas-bicheiras a nos beijar e cobrir
E pela paz derradeira que enfim vai nos redimir

Deus lhe pague"

Chico Buarque

sexta-feira, 28 de outubro de 2005

Quebrando o bico:

Se nos atemos a uma visão linearista, só podemos viver um momento que sempre será passado. Ate a luz sair do Sol, atingir uma pessoa, entrar em nossa retina e chegar à região occipital, vários universos nasceram e se colidiram entre si. E as leis cientificas “perenes”, nossas queridas leis, são apenas o grito de desespero de uma sociedade que ainda não conseguiu digerir Heráclito.

O tempo, estrutura interna da angustia, corre impreterivelmente, muda as coisas e seus mundos abrem e fecham contextos... O tempo, não culpado, apenas tempo, ele, que humanizado em Fortuna, recebe de forma tão voraz as culpas que a humanidade lhe atribui, se diverte com essa situação, com essa ilusão, com essa mania de se dizer que as coisas funcionam por leis, regras, que as coisas são. QUEM SE ACHA CAPAZ DE DIZER ALGO TAO ARROGANTE COMO “ALGO é”????

Na verdade a Vida, é como aquela gostosa da Kaiser, que vive nas nuvens, e que nenhum ser humano tem a coragem de comer.

terça-feira, 11 de outubro de 2005

Corpo e Mundo

Tal como o ser-para do Instrumento (Heidegger), identificamos o ser de nosso corpo quando ele "quebra", literalmente.

O que antes era o fundo de nossos atos no mundo, pede sua atenção como figura. Funções tão despercebidas como o salivar passam a serem encaradas como mais essenciais que o comer, beber, ou qualquer coisa exterior ao corpo, O corpo todo se destaca como um objeto, um empecilho a nossa realização no mundo.

E foi isso que eu pensei durante minha dor de garganta... (Ai, meu pinguim!)

segunda-feira, 10 de outubro de 2005

Pecados...

Olha, há algun tempo atrás, quando não podia pensar em brincar de ser adulto, toda causalidade era verdadeira, e murphyana: prazer-dor. Complexo persistente, lógica simétrica.

Nesse momento, vendo meu pequeno pinguim a girar constantemente no ar a socar meu estômago, sendo eu nesse momento somente estômago e garganta, pedindo desesperadamente que tudo acabe, prestes a vomitar...

Se Deus não tivesse morrido com um beijo ("Judas, com um beijo trais o Filho do homem?", Lucas 22:48), talvez a lógica divina teria perpetuado... Quanto trabalho teria, oh! Santa Psicologia, pastora dos pobres de espírito!

Meus agradecimentos a este beijo, Judas!

sexta-feira, 7 de outubro de 2005

Carmina Burana

Uma ópera geralmente é uma torrente de sentimentos. Tanto com a música quanto na sua ausência. É tudo questão de figura-fundo: quando as luzes se apagam, só sobra-nos um foco, uma vida, que não é realmente nossa, mas que se incorpora a nós por extrema necessidade.

Ela, como normalmente ocorre com todas as obras artísticas humanas, busca por um fim. Insana procura, nós nunca lidamos nem conseguiremos lidar com pontos finais. Eles possuem vida própria, qdo eles vêm, pronto!

O interessante desta ópera é que ela temina no começo... ou começa pelo fim. Ou seja, sem pontos finais, a pura realidade: o que se repete é o real (Lacan). É a Roda da Fortuna, que mostra nossa desgraça matematicamente: se o seno de sua vida é 1, naturalmente ele tenderá para -1. Vê, o número é igual, porém são qualitativamente diferentes. São valores opostos que se conciliam.

Ademais, dou parabéns a todos os envolvidos nesta magnífica obra.

"FORTUNA IMPERATRIX MUNDI"!!!

quinta-feira, 6 de outubro de 2005

terça-feira, 4 de outubro de 2005

Relatividade

A vida é simples quando se deixa ser simples. Este "se" é a própria vida ou nós?

Não digo mais que o pensar traz sofrimento. Ele traz felicidade sim... mas às vezes... a felicidade vem, e você nem quer pensar mais. Uma coisa simples, e meia hora pode mudar um dia. Porém, 10 minutos podem ser bem mais avassaladores. E tamanha força pode desfazer-se com uma simples palavra. Simples assim.

segunda-feira, 3 de outubro de 2005

Gerar...

1o: Numa dada época, os animais sofrem toda uma mudança hormonal e corporal, que os colocam em plena preparação...

2o: Se o animal for o bicho homem, logo ele tem que excomungar o sentimento de culpa, o que dura em média 50 minutos.

3o: Os seres vivos sempre realizam rituais incompreensíveis. Mas, para muitos, ou não, há alguns rituais concordantes. Concorda, acordo, concorda. Simples.

4o: Amenidades 1: Seria o oposto do silêncio insuportável? (mesmo sendo tão difícil quanto?)

5o: Pouco seres vivos vivem isolados. O Mundo é pequeno demais...

6o: Esqueça o "você vem sempre aqui?". Vide Amenidades 1.

7o: Dizem biólogos que, desde que algumas células deixaram de replicar-se para trocar genes, o que se propagou pela cadeia evolutiva, pode-se verificar o que se chama hoje de morte - Ah!, aquela maçã!...

8o: A água, como vê-se no episódio de Pilatos, é símbolo de purificação dos pecados. Não custa tentar, nem que esta seja a extrema unção!

9o: Amenidades 2: Nem o silêncio incomodaria este sublime momento...

10o: Isso leva ao nascimento! sim, o pequeno pinguim pode agora tropeçar por ai e aproveitar sua curta vida. Viverá não mais que 5 dias, mas cada um com um gosto mais refinado que o anterior. Ah!, pequeno pinguim... !

quarta-feira, 28 de setembro de 2005

Manual de interação bloguística

Bom, a pedidos, deixo aqui expresso o q se deve entender desse blog. Desculpem se não o fiz de início, mas uma hora seria feito.

Esse blog é como uma rua que nasceu de uma avenida maior, de início anterior a toda parafernália discursiva que jaz nele. O Finício, meu livro, se o posso chamar assim, foi quase definitivamente terminado, e, junto com esse fato, imediatamente tornou-se obsoleto. Minhas idéias fracassara, sem nem ganharem definitivamente o mundo.

Decidi então, nessa nova empreitada, começar no mundo. Aliás, no meu mundo, onde qualquer erro lógico é perdoável... covarde, mas todo bebê precisa de um útero. Esse é o meu.

A maioria dos posts são fragmentos de raciocínios abrstratos. Porém, alguns deles são as feridas abertas pela vida, bem concretas, porém disfarçadas para evitar danos físicos reais... por isso, desculpem se a maior parte do que está aqui não for compreensível... quem sabe com o tempo consigo colocar um caráter mais intimista nele, agora que descobri que é disso que o povo gosta (pelo, menos só consegui publicar um conto assim...)!

Um manual que não explica, nada mais convencional, rs...

terça-feira, 27 de setembro de 2005

Ser visível a si mesmo: onde a massa amorfa faz-se questão...

ele "instituirá a interminável gravitação, a infatigável metamorfose do vidente e do visível, cujo princípio está estabelecido, e que é posta em andamento com a primeira visão." (p. 142)

"Com a primeira visão, o primeiro contato, o primeiro prazer, há iniciação, isto é, não posição de um conteúdo, mas abertura de uma dimensão que não poderá mais vir a ser fechada, estabelecimento de um nível que será ponto de referência para todas as experiências daqui em diante." (p. 146)

O Visível e oInvisível
Maurice Merleau-Ponty

Esse ponto fugidio é o que diferencia o conjunto e células de um ser humano que se constituiu... saiba muito bem que é esse limite, e saberá o que é um aborto. Se é que um dia esse marco será encontrado...

segunda-feira, 26 de setembro de 2005

Então...

"Os sentimentos são construídos socialmente."

Prof. Dr. Geraldo Romanelli, docente da USP

quinta-feira, 22 de setembro de 2005

Paródias...

Recusar de assistir ao Francis Hime por falta de dinheiro: Bônus de R$5,00

- Lan house: R$ 3,00
- pipoca: R$ 1,00
- fanta: R$ 1,00
- cinema: R$ 0,00

Total: R$ 5,00

Cair em contradição e ser o primeiro a perceber: não tem preço

terça-feira, 20 de setembro de 2005

E Maria, a Filosofia, dá a luz...

De acordo com Hegel, Deus "nega a si mesmo para que o mundo seja, isto é, para que haja uma visão dele que não seja a sua e para a qual apareça como posterior ao Ser; noutros termos, Deus se faz homem, de tal modo que a filosofia de Hegel é uma ambivalência do teológico e do antropológico."

O visível e o Invisível, p. 94

Maurice Merleau-Ponty

Garantia de sobrevivência da Psicologia:

"O que sou no todo ultrapassa o que sou para mim mesmo, minha universalidade de nada é apenas, de minha parte, presunção, e já que só é operante por meio de minha situação, um olhar externo que a envolvesse seria, ele também, por ela envolvido."

O Visível e o Invisível
Maurice Merleau-Ponty

segunda-feira, 19 de setembro de 2005

Os 7 Minutos

"Nós temos prazer mútuo e geramos frutos... damos a luz em felicidade e tornamo-nos fecundos. Para fazer isso, fodemos."
I. Wallace

A morte de um Solipsista:

"Vidente puro, torna-se coisa vista por uma catástrofe ontológica, por um acontecimento puro que é para ele o impossível"
O visível e o Invisível (p. 86)
Maurice Merleau-Ponty

Pseudológica VII

Fé e crença são iguais?

- conhecimento - relativiza-se
- volta ao mito

- a questão de fundo é: no que crer?

Relatividade de tudo - Tempo
Fé como tentativa de vencer o tempo.

Pseudológica VI

- Não há visão pura de mundo, pois sempre haverá uma "crença" por trás dela.

-> Será que se consegue estranhar totalmente o mundo?
-> A ausência de "crença" também é crença?
-> Só na falta de sentido vivido é que nós aproximamos do mundo tal como ele é?

domingo, 18 de setembro de 2005

Frustração

Sabe naqueles momentos em que você está num mundo onde sua cidade pode transformar-se em uma cidade grega, mas que na verdade, em nítida imagem, ela tem a cara de uma cidade egípcia?

Quando você tem um irmão - veja bem, um irmão -, que é uma mistura de humano com algum tipo de ser mágico que morreu e reencarnou nele por puro mérito dele?

E que dái seus medos infantis surgem e você, uma criança (um tanto feminina, talvez) os vence magistralmente e você está prestes a levá-los (um brinquedo assassino, que já ressucitou I, II, III, noiva e filho vezes; e um robô neurótico que nunca pára) para um templo divino, onde você os jogará na chama divina (e isso é significativo), para serem eliminados para sempre?

E, nesse momento mágico, tudo se ilumina, e uma voz calam diz:

- Você vai pra sua vó?

O olhar se desloca e o momento se esvai. Quem sabe outro dia...

PS: Ainda por cima, o mundo era povoado por pokemons.

sexta-feira, 16 de setembro de 2005

Mandamentos Supremos do IdioKosmos

1 - A indiferença e o pior pecado já existente. Total falta de zelo pela vida e pelo outro. Por tal gravidade "deveria" ser punida da pior maneira: sua recíproca.

2 - Ame-me incondicionalmente, sem pretextos, contextos ou limites. Saiba que o recíproco será dado, pelo menos assim imaginarei.

3 - Odeie-me profundamente, mas somente se tua existência for-me desnecessária.

4 - É um absurdo que os ideais e utopias sejam inatingíveis. Nossos objetos a são invenções murphianas drásticas, que nem nossa pequena Poliana - uma Lolita feia e frustrada, devo dizer - pode solucionar.

PARAGRAFO ÚNICO: Meu objeto alfa é o mais desejável. Para mim, é claro. E não consigo compreender sua impossibilidade... o que eu quero nem é infinito por inteiro!

5 - O EU é o Postulado Fundamental da Existência. Descartes estava certo: se não ligam para minha delicada presença nesse estrume ovalado que orbita ao redor do Sol, danem-se. COGITO, ERGO SUN!!

6 - Todos os sentidos, sentimentos e pensamentos são falsos. Contaminados pela vida, fogem da entropia, lei universal e inequívoca. Sou niilista sim! Foda-se Nietzsche e sua irritante verdade!

7 - O termo "Foda-se" designa o segundo indivíduo de maior importância, logo após o EU.

7a - EU sou Deus;
7b - Foda-se o EU;
7c - Fodam-se os indivíduos já citados anteriormente, e os outros que o serão posteriormente;
7d - Para o resto, a Indiferença (Vide Seol, Xeol ou Hades, se preferir).

8 - Estabelecida a hierarquia divina, não significa, infelizmente, que o mesmo ocorre com a prioridade. O mundo é um absurdo, onde Deus nem sabe onde está!

9 - Newton, Einstein, Planck, todos errados. Só há um teórico e uma verdade em todas as ciências: Murphy. Tudo o que não decorre dos seus postulados incorre no fracasso, como ele mesmo apontaria.

10 - As vezes, como talvez foi exposto por Burgess e demonstrado por Kubrick, necessitamos somente de um pouco de Bethoven, "milk" e "ultraviolence". A regra básica de sexo, drogas e rock'n roll já é demasiado ultrapassada. O sexo, presente apenas na segunda, há muito foi intrinsecamente relacionado com agressividade. E se for ultra, tanto melhor. E assim encerram-se as duvidas.

segunda-feira, 12 de setembro de 2005

Viedro

"sólido" geométrico côncavo-convexo de n faces transparentes. Nenhuma perspectiva dela é igual a outra...

Dicionário Onírico

-> "o"paxia: neologismo declarado, com acréscimo do "o" ao "paxia". Entretanto, não há sentido explícito, apenas uma associação, também explícita, com "falta de ar" (asfixia).

-> Ufermatizar: o prefixo "ufer", sinônimo do prefixo "uber", é um "superlativo" do radical, no caso matizar (variar, adornar, dar cores). Expressão: ufermatizar os problemas - reconhecido explicitamente como um neologismo.

-> Mulambi: Substância química presente em ratos da espécie Wistar, numa experiência sobre desnutrição.

-> Ourska: Manifestação energética cletiva, com força de interação contínua, indiferenciada, universal e geradora. Constitutiva da Persona, porém ela é relativa a algo mais primitivo. Ou qualquer coisa assim...

- E vote em Ourska Persona!Contra superego, vote 16!

Decepção Narcísica Realista

"Deus me deu nem inteligência mínima nem para ser chamado de idiota, nem inteligência mínima para ser um gênio. Porém, o que é pior, deu-me inteligência mínima para constatar essa imbecil posição entre o gênio e o idiota."

Bomba infeliz...

a estrutura helicoidal, que parecia ser proporcionada pelo tempo, implica no tempo como sendo linear ao homem. Porém, não quer dizer que sempre será linear, o que dá uma instabilidade à estrutura.

Ciência e Ideologia I

Colocar a "verdade suprema" ou a "invalidade perfeita" é obra ideológica, não científica. Mesmo as duas estando sempre presentes, não é bom confundí-las. a ciência é um buscar e aplicar. É incessante re deve permanecer no meio dos dois extremos anteriores. E assim parece ser o caminho do conhecimento.

Limites do corpo humano...

"Eloí, Eloí, Lamá Sabactani?"
Marcos, 15:34

Pseudológica V

Kurt Godel (1949): Teoria da incompletude -> não se pode, mesmo na aritmética, provar todos os axiomas como verdadeiros

+

Princípio da incerteza de Planck

= Limite da capacidade de se compreender o universo

Hume: a ciência dá o como, não o porquê. ela consegue estabelecer a sequência de eventos e com eles se ligam, mas não pode criar leis totalmente válidas.

-> Limite então imposto tanto pelo meio (cosmos) quanto pela "subjetividade" que o conhece.

Jeremy, Pearl Jam

"Então, vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, comeu, e deu a seu marido, e ele também comeu."

Gênesis 3:6

Êxodo, 3:14

"EU SOU O QUE SOU"

Deus é

É: total possibilidade - facticidade infinita

-> não há 100% de certeza sobre nada;
-> Deus é uma questão abstrata;
-> Há entaõ a possibilidade de se interpretar/criar teorias de Deus sem que se caia em contradição uma teoria com outra.

Milagre

Como sina, o homem busca, impreterívelmente, o sentido do mundo. Essa é a jornada da vida, é o desenrolar mesmo do tempo. Compreender o mundo é findá-lo em suas possibilidades e, assim, encerrar a existência.
Porém, nosso Altíssimo Deus, em sua imensa bondade e grandiloquência, fez o mundo infindável. Deu-nos, assim, a mais tenra ignorância e, com ela, a sofrível eternidade.

terça-feira, 6 de setembro de 2005

Gilberto Mendonça Teles

CRIAÇÃO
O verbo nunca esteve no início
dos grandes acontecimentos.
No início estamos nós, sujeitos
sem predicados,
tímidos,
embaraçados,
às voltas com mil pequenos problemas
de delicadezas,
de tentativas e recuos,
neste jogo que se improvisa à sombra
do bem e do mal.
No início estão as reticências,
este-querer-não-querendo,
os meios-tons,
a meia-luz,
os interditos
e as grandes hesitações
que se iluminam
e se apagam de repente.
No início não há memória nem sentença,
apenas um jeito do coração
enunciar que uma flor vai-se abrindo
como um dia de festa, ou de verão.
No início ou no fim (tudo é finício)
a gente se lembra de que está mesmo com Deus
à espera de um grande acontecimento,
mas nunca se dá conta de que é preciso
ir roendo,
roendo,
roendo
um osso duro de roer.
Bom, vocês acreditam que às vezes, muito raramente, nos podemos, sem querer, fazer plágios??? he he he...

Pseudológica IV

O desenvolvimento do conhecimento parece ser contínuo e não ter fim. Contínuo, mas não é sempre constante.

-> Uma tentativa radical de tentar fundar a razão de tudo leva ou a uma tautulogia ou a uma contradição (talvez).

Assim, a abertura permanece constante

--------------------------------------

-> o mundo existe antes, mas também é construído;
-> a percepção é orientada, mas é imcompleta;
-> a liberdade não é absoluta e depende de sua fundação no mundo;
-> a escolha é ambiguamente determinada e livre: a crença e a ética são ambíguas

--> a ambiguidade é o horizonte humano: não o fundamento de tudo, mas a constituição primeira, ou o estado do originário, ou o estado da percepção daquilo que é originário.

---> é melhor ficar com o termo horizonte.

Vladimir Nabokov: Paixão de semana da pátria!

Nabokov

"Lolita, luz de minha vida, labareda em minha carne. Minha alma, minha lama. Lo-li-ta: a ponta da língua descendo e subindo em três saltos pelo céu da boca para tropeçar de leve, no terceiro, contra os dentes. Lo. Li. Ta." (p. 11)

"Preocupa-me a dor de cabeça diária no ar opaco dessa prisão tumular, mas tenho de perseverar. Escrevi mais de cem páginas e não cheguei ainda a lugar algum. As datas se confundem em minha memória. Isso deve ter acontecido por volta de 15 de agosto de 1947. Acho que não posso continuar. Coração, cabeça... tudo. Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita. Tipógrafo, repita, por favor, até preencher toda a página." (p. 111)

Ah! Nabokov!

Comparações...

"O homem de verdade vai ser pai também"
Chorão, Charlie Brown

A afirmação da família e da masculinidade através da paternidade aparece em vários povos "primitivos" (A família, Levi-Strauss).

Pseudológica III

Atualmente, há uma dificuldade de se encontrar um fundamento para a ética, e a moral se mantém num certo nível de abstração. Para vários primitivos, em sua liga~ção intrínseca com os acontecimentos míticos e com a sociedade, a realidade das coisas e dos atos possuiam sua concretude ligada ao mito "religioso" (Mircea Eliade - O mito do eterno retorno), o que garante a motivação para a manutenção dos atos morais.

Mandalas:

são "graficos" representantes do processo de organização psíquica, são "atratores caóticos", variações de "energia psíquica" na constituição de um eu, o ponto atrator...

Pseudológica II

O vivido deve ser percebido e sentido em ato, percebendo e sentindo. Pensá-lo, contenplá-lo, é um momento posterior. Nunca nos ateremos conscientemente a aquilo que nos é mais próximo.

Generalização da Utopia

"A utopia está no horizonte: quando caminho 2 passos ela se afasta 2 passos. Eu caminho 10 passos e ela está 10 passos mais longe. Para que serve a utopia? Serve para isso: para caminhar"
Eduardo Galeano

-> Serão os motivos últimos importantes devido ao incentivo ao caminhar? Como, se, com a consciência de ser inalcansável, o efeito é oposto?

Dica:

"Murphy é alérgico ao Jogo do Contente!"

Pseudológica I

Alienado: Ato de alienar, alheação, cessão de bens, arroubamento de espírito; loucura

Alienado: alheado; cedido; enlevado; louco; o que endoideceu

Alienador: que aliena

Alienar: tornar alheio; ceder; transferir; alucinar

-> Para sobreviver em sociedade deve-se alienar ou as suas normas ou as suas exceções.

Ah! Finalmente,

o fim1 Leitura maravilhosa, da qual minha única crítica é ao tipógrafo, trabalhador maquinal e alienado, alheio às emoções dos grandes vultos mentais, que pairam sob tais letras inspirando a nós sua independência. Fazendo-lhe justiça, meu caro H., dedico a você esta "postagem", atendendo-lhe seu desejo:

Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita, Lolita,Lolita,Lolita,Lolita, Lolita, Lolita.

Retomando a Jornada

Bom, como ninguém "já" sabe, o Tempo, Pai de todas as Deteriorações, destruiu minha primeira certeza de dominação Global, nem que esse globo fosse correspondente somente a minhas particularidades: Minha querida e inefável Dialética Helicoidal Sistêmica. Coube a ela apenas uma função estética em meus textos, influenciando meu raciocínio e outros delírios...

Mas, não se pode desistir... O que a antiga tinha de absoluta certeza, minhas novas divagações tem de absoluta indeterminação, o que, no fundo, é a mesma coisa! As espirais (digo, helicóides) se dissolveram em um coacervado de idéias disformes, sem respeitar limites epistemológicos ou coisa que o vallha.

Darei início as minha singelas Efemérides (EPA!!!), e quem sabe se possa assim chegar a uma conclusão que, de tão errada, possa se firmar nesse manto de incongruências que é o mundo humano?

Além, muito além...

...da Grande Sanidade que move este mundo, pode-se encontrar O Grande Idiokhosmos, onde tudo ocorre e tudo nasce... ou não. Este novo mundo, a desculpa dos despossuídos de talento artístico, nos dá um alicerce para que nossas loucuras injustuficadas possam ter lugar nesse mundo anti-esquizo.
Assim, peço desculpa desde já se algo aqui não agradar... dentro do domínio idiossincrásico, protetor dos niilistas, paraíso bílbico dos covardes, nada é despossuído de sentido. Aqui tudo vale, tudo pode, de alfa a ômega, e merda a seja lá o que for.

sábado, 3 de setembro de 2005