terça-feira, 11 de outubro de 2005

Corpo e Mundo

Tal como o ser-para do Instrumento (Heidegger), identificamos o ser de nosso corpo quando ele "quebra", literalmente.

O que antes era o fundo de nossos atos no mundo, pede sua atenção como figura. Funções tão despercebidas como o salivar passam a serem encaradas como mais essenciais que o comer, beber, ou qualquer coisa exterior ao corpo, O corpo todo se destaca como um objeto, um empecilho a nossa realização no mundo.

E foi isso que eu pensei durante minha dor de garganta... (Ai, meu pinguim!)

Nenhum comentário: