terça-feira, 12 de junho de 2012

Abaixo à flacidez!

Na respiração descompassada,

altos triglicérides, baixas serotoninas
entorpecido de concreto e aço e sol e carbono

O flácido pênis que pende do pescoço sufoca o grito
pesado da gravidade... das ações e baixas de capital
da gravidade dos obituários e cartórios,
das convenções e do peso do ouro.

Quero ser túrgido!
pegar fogo como zepellins de hidrogênio,
desbravar o cinzento metálico das alcovas burocráticas,
e encontrar a efeméride selva selvagem que se chama liberdade.

Abaixo à flacidez!

Nenhum comentário: