quarta-feira, 13 de junho de 2012

Tempos de orkut

Eu, por Merleau-Ponty: Massa de carne que teima em ver sendo visto, sem saber se toco ou sinto, assaz ambíguo para me desfazer do resto do mundo. Repleto de caminhos, entraves, porquês e sentidos, meio amorfo, talvez...


Eu, por Freud: Mamãe deu mamá, limpou cocô, deu tapinha e pôs na escola. Papai ameaçou cortar meu pipi. Tudo porque nunca quis sair do grando Paraíso oceânico (demorei até pra nascer...), e porque quis matar papai, por não me deixar lá, fundido, absorto, como um simples órgão a flutuar...

Eu, por Deleuze: ?

Eu, por Murphy: Todo nascimento é o início da morte.

Eu, por mim: A grande Roda da Fortuna é uma foice que circula, corta, transforma, distorce, conforma, corrói, pergunta e pergunta e pergunta...

Definir: Limitar o Múltiplo através dos limites "precisos" da linguagem. Enumerar, prediz, reduz.
Ou seja, Mentir.

Não é convencimento meu afirmar que não posso ser definido por ser grande demais para caber num conceito. Apenas deixo claro que, entre eu e vocês não há só uma teia de indeterminadas possibilidades de sentidos e de ação (e cabe a cada um tecê-las, conforme suas vidas, sua história e seu próprio universo), mas há também a perspectiva, as visões de mundo, a probabilidade e tudo aquilo que tira o Homem do seu altar no Ser e no Eu (e, o pior, que nos tira a legitimidade de conjugá-los no "eu sou").

Assim, que o tempo passe, que os acontecimentos atualizem-se nessa corrente centrífuga que é o Agora, que cada um opine com quiser... Sendo assim, Foda-se, seja lá o que for.

Nenhum comentário: