domingo, 6 de julho de 2014

Pai meu


Eloí, Eloí, lamá sabactani? (Marcos, 15, 34)
Pai meu
Que estás no chão
Profanado por vossas doenças
Mal vou à tua casa
Quisera eu ter minha vontade
Assim no corpo como no chão

O pão de meu sustento hoje mantenho
Perdoe-me se isso te ofende
Assim como eu perdoo o modo como tu me ofendeste


E assim, me deixe cair em tentação
Faz as pazes com o mal,
Amém